Nas estradas da Patagônia

Nas estradas da Patagônia

No planejamento de nossa viagem, uma coisa era certa: conhecer Torres del Paine. Só não estávamos certos se o nosso deslocamento seria via ônibus ou se encararíamos as estradas da Patagônia. A dúvida não era por causa do estado de conservação das rodovias (o Chile dá um banho na Argentina). Mas sim se a relação custo-benefício valeria a pena.

É infinitamente mais barato viajar de ônibus (adiante repassarei mais informações a respeito) nas estradas da Patagônia. Mas vale a pena economizar com outros itens ou mesmo fazer uma extravagância e desembolsar R$ 400,00 pela diária de um Classic básico e ter a liberdade de explorar o parque de acordo com sua vontade e conveniência.

Encarando o Busão nas estradas da Patagônia

É possível percorrer as estradas da Patagônia de ônibus

Os 272 km que separam El Calafate e Puerto Natales, cidade chilena mais próxima de Torres del Paine e que serve de base para quem não se hospeda dentro do parque, levam 6h para serem percorridos de ônibus (já incluso o tempo de controle na fronteira). A empresa Cootra oferece saídas diárias, sempre às 7h30min. Já os ônibus da Bus Sur saem às 8h nas quartas, sextas e domingos.

De novembro a abril, a Bus Sur passa a oferecer saídas também às terças, quintas e sábados, sempre às 16h30min. É possível comprar as passagens na própria rodoviária, mas para que arriscar se você pode comprá-las pela internet ? A passagem/ trecho da Cootra custa 18.000 pesos chilenos (R$ 99,00) já a da Bus Sur é um pouco mais cara: 20.000 pesos chilenos (R$ 112,00). 

Uma vez em Puerto Natales, você terá que fazer o trajeto até o Parque Torres del Paine (cerca de 100km) de carro, de ônibus ou contratar os serviços de uma agência de turismo. Da rodoviária da cidade partem ônibus operados pelas empresas Bus Sur, Buses Maria José e Buses Gomes. O valor da passagem/ trecho é 8.000 pesos chilenos (R$ 45,00) ou 15.000 pesos chilenos (R$ 85,00) ida e volta. Dentro do parque, existem três paradas:

  • Portería Laguna Amarga: descida obrigatória para a compra do ingresso do parque.
  • Zona Pudeto: de onde saem passeios de barco
  • Sede Administrativa

Sem querer demovê-lo da ideia de ir de ônibus, mas é necessário ficar atento em sincronizar os horários dos ônibus de El Calafate/ Puerto Natales e Puerto Natales/ Torres del Paine para evitar gastos com pernoite e desperdício de tempo. Além disso, as paradas dentro do parque não são tão próximas aos principais atrativos.

De carro pelas estradas da Patagônia

Caso você decida fazer o trajeto El Calafate/ Torres Del Paine de carro, o próximo passo é reservar o carro com antecedência. A procura é muito maior do que a oferta de veículos na cidade. Além isso, é imprescindível você informar na hora de alugar que vai atravessar a fronteira. Os controles imigratórios dos dois países exigirão a Cruce, documento de autorização para o carro.  

Depois de muito pesquisar no Rental Cars, alugamos um Corsa Classic 1.0, quatro portas, pela Localiza. O valor total de quatro diárias, já incluso a emissão da Cruce, foi de US$ 576 dólares (R$ 2.146,00), que dividido por quatro deu um custo de R$ 536,00 por pessoa. No Brasil, a diária desse mesmo tipo de carro, na Localiza, não passa de R$ 80,00. Já em El Calafate, o valor da diária quadriplica. Depois das passagens aéreas, esse foi o custo mais alto de nossa viagem.

Chegamos a contratar também o GPS, mas a melhor coisa que nos aconteceu foi ele falhar logo de cara. Achamos uma solução perfeita e gratuita para estradas desertas: baixar o mapa da viagem no celular e usá-lo no modo offline. Quem quiser que me julgue, mas confesso que até então não sabia dessa possibilidade.

Falando em mapas ….

O trecho da Ruta 40 até a Estancia Tapi Aike exige mais atenção do motorista

Se você jogar no Google Maps, a única opção que vai aparecer é pela Ruta 40 até a fronteira com o Chile, onde você segue pela Ruta 9 até Puerto Natales. De fato, esse é o trajeto mais curto (272 km). Porém um trecho considerado dessa rodovia é de rípio (cascalho muído), o que diminui a velocidade desenvolvida do carro e aumenta as chances de furar o pneu. Por não conhecermos as estradas da região, achamos mais seguro fazer o trajeto pela cidade de Esperanza mesmo aumentando para 355 km o percurso total da viagem.

Chegando lá, aproveite para abastecer o carro no posto localizado na entrada da cidade. Essa é uma dica de ouro: sempre que ver um posto, abasteça, pois você pode rodar mais de 200 km nas estradas sem ver uma bomba de combustível sequer. O posto da bandeira YPF conta com banheiros limpos e loja de conveniência que vende até artesanato. Agora, o que chamou a nossa atenção foi poder pagar usando pesos argentinos, chilenos ou reais. De El Calafate até Esperanza, consumimos ¼ do combustível, o que nos custou R$ 50,00 para completar o tanque.

De Esperanza, seguimos até o controle imigratório Rio Don Guillermo, ainda na Argentina, onde é exigida a documentação dos passageiros e do carro (Cruce). No entanto, não é preciso fazer alfândega. É importante ficar atento aos horários de funcionamento do controle imigratório. No verão, ele funciona das 8h às 22h e, no inverno, das 7h às 21h.

Estradas chilenas

Poucos quilômetros dali, a estrada de rípio dá lugar ao asfalto, sinal de que já estamos em território chileno. Chegando ao controle imigratório do Chile, é necessário descer com as bagagens e fazer o procedimento de controle imigratório e alfandegário.  Uma vez que passageiros e bagagens são liberados, um oficial faz uma rápida vistoria no carro para verificar a presença de alimentos in natura. Isso significa dizer que aquela maçã que você comprou como lanchinho não vai chegar em Puerto Natales.  No verão, o posto funciona das 8h às 24h e, no inverno, das 8h às 22h.

Ao retornar para a Argentina, os procedimentos são inversos. Na saída do Chile, não há mais necessidade de alfândega e na chegada ao controle argentino, deve-se descer com a bagagem e não portar produtos in natura. No entanto, os hermanos não são tão rigorosos, pois nem solicitaram nossas bagagens tampouco revistaram o carro.

Leia mais sobre a Patagônia:

Glaciar Perito Moreno

Glaciares Upsala e Spegazzini

Patagônia: um destino com vários destinos

Diário de bordo: Puerto Natales

Parque Nacional Torres del Paine

Trekking à base das Torres del Paine

Torres del Paine de carro

Anúncios

Deixe uma resposta