Diário de Bordo: Milão

É muito comum que na mesma viagem à Europa a gente queira visitar vários países em virtude da proximidade geográfica. No entanto, países como a Itália merecem ser explorados em uma única viagem. Em 2017, passei duas semanas no país e posso dizer que conheci o básico de Milão, Veneza, Roma, Florença e Pisa.

Nosso roteiro começou em Milão, um dos principais destinos dos voos que saem do Brasil. A capital da Lombardia tem uma vibe bem São Paulo: moda, alta gastronomia, centro financeiro do país, cultura etc. As semelhanças são tantas que, em 1962, os prefeitos das duas cidades assinaram um acordo atribuindo-lhes o título de cidades irmãs.

A catedral de Milão é uma das maiores da Itália
Duomo di Milano

O que fazer em Milão

No primeiro dia, fizemos uma programação bem turista: Duomo di Milano, Galleria Vittorio Emanuele II e o Castelo Sforzesco. Para chegar nessa região é só pegar a linha amarela ou vermelha do metrô e desembarcar na estação Duomo. Ao sair da estação, você já dá de cara com toda suntuosidade da catedral gótica. Ao todo, são quatro áreas de visitação: a catedral, o terraço, o museu e a Igreja de São Gottardo. A depender das áreas de interesse, vale a pena comprar o Duomo Pass (16 euros).

Galleria Vittorio Emanuele II fica ao lado da catedral de Milão
Galleria Vittorio Emanuele II

Ainda na Piazza Duomo temos acesso à Galleria Vittorio Emanuele II, mais um tesouro da arquitetura italiana. Construída para conectar o Duomo ao Teatro Scala, a Galleria hoje abriga grandes grifes, como Louis Vuitton, Sephora, Gucci, Prada etc. Mesmo que você não curta um roteiro de compras, o passeio pela Galleria vale pela sua arquitetura. Ah, se você quiser retornar a Milão ou ter sorte durante a viagem, não esqueça de pisar no testículo do touro feito de mosaico e dar três voltas.

Castelo Sforzesco, em Milão
Castelo Sforzesco

Depois de termos garantido o nosso retorno à cidade, seguimos a pé rumo ao Castelo Sforzesco, construído no século XIV. Se no passado, o castelo recebia grandes nomes do Renascimento, entre eles Leonardo da Vinci. Hoje, ele é um complexo cultural que abriga mais de dez museus. A coleção de armas e armaduras é um dos programas prediletos da criançada. A entrada do castelo é gratuita, mas a do museu custa 05 euros. Como é humanamente impossível conhecer todo seu acervo em uma única visita, a dica é escolher os museus de seu interesse ou comprar o Tourist Museum Card (12 euros), que tem validade por três dias.

Última Ceia, de Leonardo da Vinci

#Ficaadica:

Se você tiver quiser ver “A Última Ceia”, de Leonardo da Vinci, não esqueça de reservar no Cenacolo Vinciano. O ideal é que a reserva seja feita com o mínimo de 30 dias de antecedência da data desejada para a visita. Além do ingresso (10 euros), você também paga uma taxa de reserva (02 euros).

Leia mais sobre a Itália:

Vale a pena comprar o Roma Pass ?

Diário de Bordo: Veneza

Diário de Bordo: Florença e Pisa

Como viajar de trem pela Itália

Do aeroporto Malpensa ao centro de Milão

Como hospedar-se pelo Airbnb

Como fazer o Bernina Express

Anúncios

Um comentário sobre “Diário de Bordo: Milão

Deixe uma resposta